InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 24 em Ter Nov 17, 2015 12:09 pm
Últimos assuntos

Compartilhe | 
 

 Entrevista de um Adulto Implantado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Alice
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 425
Data de inscrição : 28/04/2008
Localização : Setúbal

MensagemAssunto: Entrevista de um Adulto Implantado   Dom Nov 23, 2008 3:29 pm

Ouvir o mundo com outros olhos

A língua portuguesa, que lhe sai das cordas vocais com a gramática trocada, aproveita-se da clareza do olhar para lhe desvendar a alma. Ao silêncio trata-o por tu. À vida com um sorriso. E que vida, que agora até deu em caloiro da Universidade de Aveiro.

O Fernando Dionísio nasceu com uma grave deficiência auditiva. Há 56 anos atrás, sem a tecnologia actual dos aparelhos auditivos nem os apoios educativos especializados que apenas chegariam décadas mais tarde, cresceu silencioso num mundo construído sem a medida dele. Mais ainda quando se nasce na aldeia de Vagos, num cenário do então Portugal profundo.

Sem ouvir os outros, não aprendeu a falar. Sem ouvir o mundo, estava condenado à incompreensão. Num golpe afortunado do destino, quis a vida que fosse menino para o Colégio da Imaculada Conceição, em Lisboa. "Naquele tempo era onde havia ensino especializado em Portugal", lembra. Pelas técnicas das solícitas freiras, senhoras de alguns arcaicos segredos da terapia da fala, começou a balbuciar as primeiras palavras, as primeiras frases, as primeiras conversas. E o mundo começou a ouvi-lo.

Ficou pela quarta classe que a escola não era mesmo para todos.

Regressou adolescente a Aveiro com outras falas nas mãos. Trazia o prazer da pintura, trazia a vontade de se fazer ouvir pelas cores e pelas formas.

Trabalhou durante 11 anos na fábrica da Vista Alegre. Mestre exímio da arte dos pincéis, das finíssimas pinturas imortalizadas em porcelana, cedo a fama se espalhou. Convites de fábricas onde os pintores eram a prata da casa, ou o ouro do negócio, aliciavam-no e o Dionísio foi arriscando de casa em casa, de obra-prima em obra-prima.

Hoje trabalha por conta própria para inúmeras empresas.

A ciência trouxe-lhe pelo meio a tecnologia para ir ouvindo mais do que quase nada. Primeiro "um daqueles aparelhos antigos, parecidos com um mini-rádio cheio de fios", depois um aparelho auricular mais discreto. Mesmo assim "nunca deu para perceber tudo o que falam as pessoas". Vozes masculinas distinguia-as das femininas e o piar dos pássaros do ronco dos motores.

Regresso às aulas

A medicina proporcionou-lhe há cinco anos um implante auditivo. Ainda assim precisa de ambientes silenciosos para acompanhar as conversas. A leitura dos lábios ajuda o cérebro a tentar compreender palavras que nunca haviam sido antes registadas.

Casou. Teve filhos. Faltava-lhe cumprir um outro sonho: estudar.

Através do programa Novas Oportunidades concluiu a escolaridade obrigatória. Não ficou por aí e este ano entrou na Universidade de Aveiro.

A paixão pelas artes ditou que Fernando Dionísio seja hoje caloiro do curso de Design. Outro percurso ainda agora começou. Nas veias ferve-lhe já as dificuldades próprias de quem entra numa Universidade. Acrescente-se-lhe a fervura de quem cresceu a ouvir o mundo com outros olhos.

"Tenho algum pânico com os trabalhos de casa", confessa. "Como vou fazer para cumprir os prazos de entrega? Não estou habituado". Acompanhar as aulas também é um quebra-cabeças para quem precisa de ambientes silenciosos para perceber o que é dito, para quem precisa de estar cara a cara com os outros para ir empurrando para os ouvidos o que ouve com a leitura dos lábios.

"Vai valer a pena o esforço que estou a fazer". Dionísio acredita nisso. "E acreditar é muito importante".

Fonte

_________________
A vida tirara-me um sentido, e mais tarde a tecnologia devolveu-ma graciosamente, de braços estendidos perante a possibilidade, bastou escolher e isso é bonito de se ver. Decifrar os sons, no corpo de adulta mas criança ao mesmo tempo. É magia. O deslumbramento de um novo renascer.
National Geographic Portugal.

Surda Profunda desde 18 meses de causa não determinada.
Implantada no Hospital dos Covões - Coimbra.
Dr.Fernando Rodrigues
Nucleus Freedom: 29/06/2007
Activação: 30/07/2007
PORTUGAL
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ouvido-bionico.blogspot.com
 
Entrevista de um Adulto Implantado
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Entrevista - José Mariano Beltrame
» Entrevista - Folha - Coronel Mário Sérgio
» Psicologos querem a volta da entrevista no psicotecnico
» Entrevista com lucifer.
» Nos postos de saúde dos EUA a partir de 2013, ninguém será atendido se não tiver um microchip implantado na sua mão!!!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Implante Coclear :: Testemunhos de Adultos Implantados.-
Ir para: